terça-feira, junho 22, 2004

How Dare I Be So Beautiful?

Esse é o título de um dos trechos da música Supper's Ready do Genesis (disco Foxtrot) e que remete aos escritos do filósofo Nietszche em certa fase de sua carreira (por exemplo, ele perguntava em seus textos: "Por que eu sou tão sábio?" ou "Por que escrevo livros tão bons?"). O que ambos têm em comum? A genialidade de enxergar além de seu tempo. Realmente, não conheço banda de rock progressivo que tenha alcançado o patamar de perfeição na arte que o Genesis de Peter Gabriel logrou atingir.O grupo unia belas melodias, complexas harmonias, letras instigantes, sombrias ou bem-humoradas e a dramaticidade que ia do teatro grego ao pós-moderno, passando pela òpera italiana. Peter, quando tornava-se o velho homem lascivo, o alienígena observador dos céus, o aparador de grama, a voz da Bretanha ou "a flower?" era imbatível e garantia, junto com o som da banda um espetáculo completo e inesquecível. Pink Floyd e Yes que me perdoem, mas a Arte e o Genesis formaram o mais belo par na 1ª metade dos anos 70.


Genesis, o expoente máximo do rock progressivo em todos os tempos!!