segunda-feira, agosto 23, 2004

Enquanto isso, longe do Olympo...

Ave, César! Arre, égua! O Parthenon de Athenas cheirava menos a mofo do que as idéias dos nossos senadores. Até mesmo Nero (não o queimador de cd's) teria recebido um balde de água fria desta corja de vetustos dementes e vis. Saudades da acrópole, onde , em sua praça, outrora, em meio ao comércio, discutia-se Direitos e Deveres entre amigos. Hodiernamente, vêem-se alguns no direito de comercializar os próprios amigos!!!Hárpias, Fúrias e Górgonas dançam livres através da imensa ágora.
Vãs quimeras se criaram na ânsia de obter-se o auxílio dos Deuses, mas, qual! Estavam Eles ocupados demais em suas bacanais, mergulhados em vinho e toda espécie de carne. A Aurora de róseos dedos já cansada de, a cada novo alvorecer, vislumbrar o produto de nossas ocupações noturnas (antes permanecessem ocultas até o crepúsculo) anseia ardentemente por longas férias de Heliópolis. Quem sabe, visitar mais o Pólo Norte, já que, por estas plagas, há muito nós perdemos nossas bússolas !!!
Comei, pois, o manjar que Plutão amassou, massa disforme agora esparramada pelo chão (tal batatinha quando nasce, porém, um pouco menos poética)! Heróis olímpicos, voltai seus olhos para os cães de Hades que, aqui e em outros cantos, perseguem mais que medalhas, tudo o que nem mesmo conquistamos! Não convém esperar ter a mesma sorte do industrioso Ulysses que, após anos de provas e aventuras, logrou êxito em rever seu reino e sua amada incólumes...
Zeus nos livre!!!