domingo, setembro 26, 2004

The Terminator- A Rebelião das Máquinas

Ano 2029. As máquinas se insurgem contra seus criadores. Dispostos a eliminar toda a raça humana, enviam ao passado um cyborg virtualmente indestrutível, que não descansará enquanto sua missão não for cumprida: encontrar Sarah Connor e impedir que esta venha a ter seu filho, que tornar-se-á o líder da resistência!
Se tem um filme realmente marcante pra mim, esse é O Exterminador do Futuro. O primeiro, pois os outros não tiveram o mesmo êxito em captar aquele clima cyber como os da obra de Burroughs. Quando o assisti no cinema pela 1ª vez, tive um impacto profundo em minha psique. Até então Arnold era a heróica figura de Conan. Que surpreendente fora descobrir (já quase no meio do filme) que ele era agora o vilão da história!
O roteiro é perfeito e cada cena é magistralmente construída, o que, até certo ponto, torna essa obra-prima da ficção algo incomodamente verossímel. Talvez seja isso que me fez assistí-la umas 25 vezes no cinema! Isso mesmo. Eu fui várias vezes ver o mesmo filme (numa época em que se podia ver todas as sessões se quisesse).
Ou talvez seja aquela sensação intraduzível frente a algo que se recusa a morrer... Uma força que escapa ao nosso controle assim como nossos instintos primitivos!
De certa forma, não é só ele, mas Sarah também se recusa a morrer, mesmo com toda sua fragilidade inicial. E, se o T-800 pudesse, ficaria furioso diante da perseverança daquela mulher em sobreviver!
Aliás, Arnold está perfeito no papel da criatura fria e insensível que tira um olho em frente ao espelho com a mesma naturalidade de quem faz a barba! Se vocês repararem, é um dos poucos vilões da história do cinema que não ri de jeito nenhum (vilão gosta sempre de dar aquelas gargalhadas insanas e diabólicas)!!!
A trilha sonora é um capítulo à parte. A música tema (instrumental) ajusta-se como uma luva ao cenário apocalíptico do filme. Com sua linha melódica quase suave e orquestração sombria, consegue capturar nosso espírito (pelo menos o meu) com seus metais que aludem às máquinas em movimento inexorável em direção aos homens que pretendem obliterar definitivamente!!!
Filme B (de baixo orçamento), O Exterminador do Futuro mostrou pra muita gente que nada supera a criatividade. Não precisa nem dizer que trata-se de um dos meus favoritos de todos os tempos!
Seu nome é Sarah Connor?