segunda-feira, outubro 11, 2004

Pedra, Papel e Tesoura

"...A PEDRA QUEBRA A TESOURA QUE CORTA O PAPEL QUE EMBRULHA A PEDRA QUE QUEBRA A TESOURA QUE CORTA O PAPEL QUE EMBRULHA A PEDRA QUE QUEBRA A TESOURA QUE CORTA O PAPEL QUE EMBRULHA A PEDRA... "
Conhecido como Jan-Ken-Po no Japão (Ching Chang Polk na China e Ra Sham Bo na Coréia, para quem gosta de informações com uma utilidade particular), este jogo é muito antigo e me lembro que uma prima me ensinou quando eu era pequeno. É assim:
Os participantes dizem ao mesmo tempo: “ Pedra, Papel, Tesoura”. Logo após , os dois mostram uma das mãos simbolizando Pedra (mão fechada) , Papel (mão aberta) ou Tesoura ( dedos lembrando uma tesoura).
O ganhador é aquele que colocou o símbolo mais forte em relação ao outro. No caso, a Pedra vence a Tesoura e perde p/ o Papel; o Papel vence a Pedra e perde p/ a Tesoura e a Tesoura vence o Papel e p/ para a Pedra.
Por aqui, é um jogo essencialmente de meninas, mas o interesse para o presente texto é o fato de que é possível fazer uma analogia com a gente mesmo. Podemos, por exemplo, ser fortes perante a arrogância de um aborrescente , mas a pureza ou a lágrima de uma criança podem nos derreter...
Se formos parar pra pensar, há uma série de coisas na vida que não dependem do fator força ou resistência e sim, do jeito de se fazer; de se saber o momento certo de agir e, principalmente, contra o que agir para lograrmos êxito!
Assim sendo, a mensagem de hoje do titio Levi é que toda pedra (ou obstáculo) pode ser vencida, basta usarmos o elemento certo para tanto... Como já dizia o Zorro, se não se pode vencer usando a força do Leão, talvez consigamos com a astúcia da raposa!