terça-feira, novembro 16, 2004

Como te chamas?

*******Abro a janela, e de repente,
*******Vejo tumultuosamente
Um nobre corvo entrar, digno de antigos dias
*******Não despendeu em cortesias...

*******Diante da ave feia e escura,
*******Naquela rígida postura,
Com o gesto severo – o triste pensamento
*******Sorriu-me ali por um momento,
*****E eu disse: “Ó tu que de nocturnas plagas
*****Vens, embora a cabeça nua tragas,
*****Sem topete, não és ave medrosa,
********Dize os teus nomes senhoriais;
Como te chamas tu na grande noite umbrosa?”
********E o corvo disse: “Nunca mais” ...
Curiosos para saber com termina a história?