sexta-feira, novembro 19, 2004

Nunca mais!

O atormentado escritor prossegue seu diálogo com a ave agourenta perguntando por sua amada Lenora:
*****"Profeta, ou o que quer que sejas!
*****Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta, atende, escuta, atende!
*****Por esse céu que além se estende.
***Pelo amor de Deus que ambos adoramos, fala,
***Dize a esta alma se é dado inda escutá-la
***No éden celeste a virgem que ela chora
Nestes retiros sepulcrais,
Essa que ora nos céus anjos chamam Lenora!"
***E o corvo disse: "Nunca mais!"
****************(Tradução de Alexandre Herculano)
Bom, o poema é muito extenso pra postar aqui. Mas vcs podem encontrá-lo aqui
**********

O busto de Palas Athena no qual a sinistra ave pousou...