quinta-feira, abril 14, 2005

A Luz Brilha Através da Janela do Santuário

*************
Revirando uma das minhas gavetas, encontrei alguns desses meus vetustos versos esdrúxulos (não que eu ainda lembre muito bem o que é um verso esdrúxulo rsrs):
*****************
A dama das horas anda a furtapasso
Acumulando mais e mais num peito o desalento
Jaz naquele um motor, há muito em descompasso
Na mente as imagens correm alheias ao pensamento
*****************
Do caos nasce a ordem de tocar o enlouquecer
Abalado o espírito, este enceta a se perder
******************
Aparentemente sem alvo e sem direção
Um pálido brilho vence a escuridão
As nuvens finalmente começam a se dispersar
E um refúgio da insanidade se logra alcançar
******************
A confusão (assim se espera ) é para sempre finda
A calma regressou e é bem-vinda
Refaz-se o cavaleiro com a luz que entra
Pela janela do santuário que a esperança inventa
*************************
Tão certo como cada problema encerra em si a própria resposta!
***************