sábado, junho 25, 2005

Um dia no tribunal

Nessa semana que passou, tive a oportunidade de participar da simulação de um tribunal do júri, onde os alunos do curso de Direito atuariam no julgamento (baseado em fatos reais) de um cara que estava sendo acusado de matar seu afilhado de apenas 3 anos de idade. Nada engraçado, né?
Mas, tanto a defesa como a acusação lançaram pérolas que o público presente não pôde deixar de rir...
Pra começar, o aluno que interpretou o réu tinha mesmo cara de maluco psicopata.
Depois, o promotor público tinha um discurso e impostação de voz que lembravam muito um pastor pregando : "Senhores, este meliante, teve a coragem de matar uma criança a socos e pontapés (fazendo os gestos)!!! Ele arrebentou as pregas do ânus da criança! O garoto se cagou (sic) todo!!! " ...
E a defensora: "Mas, vejam que ele não teve a intenção de ferir a criança, muito menos de matar, ele apenas quis aplicar uma medida sócio-educativa !!! Foi uma questão de um soco mal-dado..." (imagine se fosse bem dado!!) "...Nem chegou a deformar a caixa craniana do menino"(putz, que bonzinho!) "...Além disso, ele não agiu de forma cruel como pretende o ilustre promotor, pois crueldade é quando você prolonga o sofrimento da vítima sem necessidade..." (claro, o brutamontes matou o garoto quase que instaneamente, como um elefante esmaga um tomate!)
O irmão do acusado defendeu-o dizendo que ultimamente ele não vinha fumando maconha ou bebendo (ou seja, ele consumia drogas, mas no dia ele estava sóbrio)!
Foi um verdadeiro festival de trapalhadas! Fiquei pensando com meus botões o que não deve acontecer de absurdo pelos tribunais afora com cada um defendendo seus interesses...
Ah, no final, o réu foi condenado por unamidade...